quinta-feira, 16 de abril de 2009

Memórias de Minhas Putas Tristes - Gabriel Garcia Márquez

Um homem que nunca fizera sexo sem pagar, resolveu se presentear em seu aniversário de noventa anos, e passar uma noite de amor com uma mulher virgem.
Queria uma mulher que exalasse pureza, diferente das muitas promíscuas que passaram por sua vida.
Juntou parte de suas economias recebidas da aposentadoria e da remuneração como jornalista de um periódico, e partiu em busca do seu objetivo.

Com a colaboração da antiga amiga Rosa Cabarcas proprietária de um prostíbulo, conseguiu contatar uma jovem de quatorze anos que terminou despertando a paixão do idoso, ao ponto de influenciar os textos de suas crônicas divulgadas no jornal aos domingos.

Apesar de o tema margear a pedofilia, o texto é escrito de forma arguciosa, e o leitor, sem perceber, é levado a desviar a atenção para outro ponto: a carência afetiva do indivíduo de noventa anos. Assim, a história se desdobra chamando a atenção para o amor e admiração entre os parceiros.

Garcia Márquez coloca em discussão a possibilidade de pessoas viverem noventa anos sem nunca terem experimentado relações amorosas desprovidas de preconceitos e barreiras.
No caso específico, o idoso jornalista que sempre pagava pela companhia de mulheres para não se comprometer, terminou experimentando sentimentos próprios de jovens apaixonadas, ao ponto de transbordá-los nas crônicas semanais no jornal El Diário de La Paz.
O envolvimento amoroso com a jovem garantiu ao jornalista deixar de ser um colunista medíocre para se tornar um escritor da primeira página, tal era a emoção imposta nos textos, percebida pelos leitores, que aguardavam, com ansiedade, as edições dominicais.

Com a jovem Delgadina, o jornalista não mantinha relações sexuais. Bastava contemplá-la ao vê-la dormir em um dos quartos do bordel da cafetina Rosa.
Após a ocorrência de um assassinato no bordel os dois amantes foram separados, e o desencontro provocou no idoso, sentimentos doentios de adolescentes, intensificados pela distância entre eles.
Durante meses o velho cronista pôde sentir a intensidade da vida e se permitiu aguardar a morte, satisfeito por ter conseguido amar alguém.

A história apresenta um colorido psicológico, contrapondo valores morais, e faz lembrar a complexidade do que é envelhecer.

Informações sobre o autor – O escritor colombiano, Gabriel José García Márquez, apelido Gabo, nasceu em 1928 na aldeia de Aracataca, na Colômbia. Cedo abandonou a casa dos pais e trabalhou em diferentes empregos. Fez seus estudos em Barranquilla e chegou a iniciar o curso de direito em Bogotá, época em que publicou seu primeiro conto. Exerceu o jornalismo em Cartagema, Barranquilla e no El Esplendor, de Bogotá. Foi correspondente das Nações Unidas em Nova York. Recebeu Prêmio Nobel de literatura por sua obra que entre muitos outros livros inclui “Cem anos de Solidão”. 
Referência bibliográfica
García Márquez, Gabriel, 1928 -
Memória de minhas putas tristes / Gabriel García Márquez; tradução Eric Nepomuceno. 8ª ed. - Rio de Janeiro: Record, 2005.
127p.
ISBN 85-01-07265-6
Tradução de: Memoria de mis putas tristes
1. Romance colombiano. I.Nepomuceno, Eric, 1948. II.Título.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Ocorreu um erro neste gadget