sexta-feira, 26 de junho de 2009

Carta ao Pai – Franz Kafka

Em sua Carta ao Pai, Kafka, relata fatos que determinaram o difícil relacionamento. Muitos destes contribuíram, decisivamente, para estimular a insegurança, tida como característica determinante de sua personalidade.
O caráter enigmático de Hermann, cuja autoridade era exercida com base no direito que ele mesmo se atribuía, o fez tirano, na concepção kafkiniana. Para Franz Kafka, o exercido da autoridade deveria acontecer com base na consistência das idéias.

Apesar da dificuldade do relacionamento, Kafka não culpa exclusivamente o pai, embora, não economizou palavras para recriminá-lo diante da falta de apoio aos seus projetos e escolhas, e, principalmente, à fria recepção diante do anúncio de seu noivado com Julie Wohryzek.

Kafka divergia de citações feitas pelo pai, principalmente, quando surgiam atitudes criadas para justificarem o distanciamento entre eles: “Eu sempre gostei de ti, mesmo que na aparência eu não tenha te tratado como outros pais costumam tratar seus filhos, justamente porque não sei fingir como eles”.
Aos trinta e seis anos, Kafka havia experimentado dois noivados fracassados com Felice Bauer; e outro com Julie Wohryzek, com quem também não contraiu matrimônio. Fora isto, carregava uma relação confusa com Ottla, sua irmã favorita; uma carreira literária pouco brilhante à época, além de intenso descontentamento, proveniente do emprego que mantia no governo.

Na extensa carta, com mais de cem páginas, o escritor relata a sua dor diante do ambiente de disputa, ao perceber que o seu pai o tinha como um inimigo indigno de batalhas, devido às suas “fraquezas” rotuladas a partir do próprio físico franzino.

Para Hermann, que trabalhou muito para adquirir a independência financeira, os seus filhos, que recebiam o que precisavam para sobreviverem sem muito esforço, eram fracos e inferiores, não só em relação à força física.

Dificilmente alguém consegue relatar, com tamanha precisão, os sentimentos que influenciaram a sua vida na forma analítica como Kafka o fez. O autor tenta ajustar as contas apesar de não ter obtido sucesso, já que não se conhece os motivos que o motivou desistir da idéia de entregar a Carta ao destinatário.
O que era para ser um acerto de conta familiar tornou-se mais uma importante obra do autor, e revelou que muito do que se ler em “A Metamorfose”, “O Castelo”, e “O Processo” estão ligados a traumas psicológicos do seu relacionamento com o pai.

Informações sobre o autor - Franz Kafka nasceu em Praga a 3 de julho de 1883. Filho de um abastado comerciante judeu cresceu sob as influências de três culturas: a judia, a tcheca e a alemã. Formado em direito, ele fez parte, junto com outros escritores da época, da chamada Escola de Praga. Esse movimento era basicamente uma maneira de criação artística alicerçada em uma grande atração pelo realismo, uma inclinação à metafísica e uma síntese entre uma racional lucidez e um forte traço irônico.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

O Atentado - Yasmina Khadra

“Podem te tirar tudo, teus bens, teus mais belos anos, todas as tuas alegrias e todos os teus méritos, até tua última roupa – sempre restarão teus sonhos para reinventar o mundo que te confiscaram”.

Esta é a visão do mundo para o médico Amin, personagem que narra a história escrita por Yasmina Khadra, surpreendido quando sua discreta esposa se envolve em um atentado, que resultou na morte de dezenove inocentes.
Shiem, esposa de Amin, amarrou bombas na cintura e entrou em um restaurante próximo ao hospital que o marido prestava serviços. Explodiu o que carregava e tornou-se kamikaze por convencimento de fundamentalistas.

A história é envolvente e relata as arriscadas aventuras do médico à procura dos responsáveis, quando ele próprio se torna um dos suspeitos para a polícia.
Vai à cidade onde o movimento fundamentalista aparelhou sua esposa e se surpreende com o envolvimento de parentes próximos. Quanto mais lutava para provar a inocência da mulher, maior era a decepção por ter mantido uma relação dissimulada só descoberta após o triste desfecho.

Informações sobre o autor - Yasmina Khadra é o pseudônimo literário do argelino Mohamed Moulessehoud. Recebeu o Prêmio dos Livreiros Franceses 2006. É considerado uma das grandes vozes da moderna literatura francesa.

Ocorreu um erro neste gadget