domingo, 10 de maio de 2009

De frente para o sol – Irvin D. Yalom


O que nos leva a uma fonte inesgotável de idéias e a independência do pensamento é a boa saúde e a riqueza intelectual. A perturbação causada pela interpretação que fazemos das coisas pode distorcer o fato, já que o mesmo tema é analisado e sentido de várias formas por diferentes pessoas.

Um olhar sem hesitação para a morte constitui a mensagem de Irvin D. Yalom, que sugere a necessidade de analisá-la com a mesma independência que temos para confrontar outros medos.
A negação da morte termina nos impondo uma cobrança elevada e em consequência vem o encolhimento da vida interior, o ofuscamento da visão e o achatamento da racionalidade. Quanto mais se fracassa em viver, mais medo se tem da morte.

O filósofo francês existencialista Jean Paul Satre disse que a última batida do seu coração estaria gravada na última página de seu trabalho e a morte estaria levando apenas um homem morto.
Enquanto Satre deixa bem claro o que pensava sobre a morte, o não menos respeitável filósofo grego Epícuro de Samos descreve que a preocupação com a morte não é consciente para a maioria das pessoas. Ela se apresenta por meio de manifestações disfarçadas, a exemplo de uma religiosidade excessiva, um acúmulo obsessivo de riquezas, e, até mesmo, sob a forma de propagação de realizações e desejo cego de poder e honraria. Em todos os casos há uma visão equivocada de imortalidade.

O livro apresenta análises psicológicas de pessoas que sofreram com problemas relacionados à morte de forma inconsciente e tiveram oportunidades de aflorá-los com a ajuda profissional.
Apesar da conhecida posição religiosa do autor, o texto flui de forma leve, sem drama ou preconceito. Pelo contrário, todas as citações são extremamente responsáveis e éticas.

Informações sobre o autor – Irvin D. Yalom é um escritor americano, filho de imigrantes russos. Formou-se em psiquiatria na Universidade de Stanford. O seu primeiro romance foi “Quando Nietzsche Chorou”. Escreveu também “A Cura de Schopenhauer”, “Mentiras no divã” e “Os desafios da terapia”.

Um comentário:

  1. Li esse livro recente e acessando essa resenha percebo o quanto ela ilustra de modo claro e preciso as experiencia compartilhadas pelo ilustre autor. Trata-se de uma obra rica em detalhes, já que traz experiencias de pacientes e do próprio Yalom acerca dos medos que alimentamos da morte. Vale a pena se lançar à experiencia.
    Edilania - edilaniafurtado@gmail.com

    ResponderExcluir


Ocorreu um erro neste gadget