quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O Jogador – Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski


A história relata o envolvimento de Alexei Ivanovich, um prospector encarregado da educação dos filhos de um general, viúvo, que vive como hospede em um hotel, acompanhado de sua enteada Paulina Alexandrovna e tem como pano de fundo os efeitos maléficos o vício do jogo.

Paulina é usada, pelo general, para flertar com pessoas responsáveis por financiar a sua dívida originada do jogo, que tinha como garantia os bens da vovó Antônia Vassilievna, cuja morte era aguardada, com ansiedade, pelo general e seus credores.

A proximidade de Alexei terminou em amor platônico e o fez querer entender o que havia, sob sigilo, nos relacionamentos entre Paulina e outros personagens da história. A admiração dele, por Paulina, não tinha limite, jurava devoção e se submetia a qualquer exigência para que seus valores fossem reconhecidos por ela. Quanto mais Alexei tentava se aproximar, ela dissimulava e estimulava o seu ciúme.
Até que Alexei encontrou, na roleta, uma alternativa para ajudar a amada se desvencilhar do general, tornado-se, a mando de Paulina, um jogador, contudo, a princípio, de nada lhe serviu para conquistar o respeito, apesar de se tornar um ganhador e como tal, a exemplo dos grandes ganhadores, conquistar, momentaneamente, o reconhecimento dos freqüentadores do cassino.

Enquanto a história amorosa se desenrola, o general continua prisioneiro das mordaças financeiras impostas pelos agiotas Astley e Grieux.

Quando tudo parecia caminhar para um desfecho confortável, o grupo foi surpreendido com a chegada da vovó Antônia Vassilievna ao hotel, o que terminou criando um rebuliço com suas extravagâncias, dando curso contrário ao esperado. Alexei que se encontrava desprestigiado pelo general, obteve apoio da vovó e passou a acompanhá-la em muitas investidas nas roletas. A preocupação com a quebradeira da excêntrica senhora, devido o jogo, passou a não ser só do general, mas, também, dos que esperavam receber a dívida através do patrimônio que começava a ser desperdiçado no cassino.
Alexei de relegado passou a estratégico para o grupo, por crerem que só ele seria capaz de fazê-la parar de jogar, o que, efetivamente, não ocorreu. A velha terminou deixando grande parte de sua fortuna apostando no “zero” das roletas do cassino.

Desiludida, Antônia Vassilievna , retornou pra casa no intuito de cuidar do que ainda restava do patrimônio, enquanto Alexei decidiu investir pesado na jogatina e terminou ganhando muito dinheiro. Logo, chamou a atenção da Mademoiselle Blanche, uma vigarista francesa, que andava enrabichada com o general. Mudou-se, com Blanche, para Paris e em poucos meses a trapaceira tomou-lhe a maior parte do dinheiro. Preso, por dívida, Alexei teve sua fiança paga não se sabe por quem. Após sua soltura encontrou-se com o inglês Astley que lhe revelou a localização de Paulina. Enquanto isto, a vigarista Blanche abrigou, em Paris, o general caduco em um apartamento decorado com dinheiro de Alexei.
Narra, a história, que a sobra do patrimônio da vovó terminou ficando com a Mademoiselle Blanche, por ter se aproveitado da caducagem do general.

Dostoiévski conta, com riqueza de detalhes, as emoções e os efeitos danosos do jogo. Ele, que era um jogador compulsivo, conseguiu revelar os danos e a angústia de tentar superar a falta de lógica ao giro do circulo numerado chamado roleta, inventada pelo francês Louis Blanc.

Informações sobre o autor Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski, nasceu em Moscou, em 1821. Cursou engenharia e estreou na literatura em 1845. Foi condenado à morte em 1849, por envolvimento com política liberal. Minutos antes do fuzilamento, sua pena foi modificada por um período de exílio na Sibéria. Morreu em São Petersburgo, em 1881. É autor de Irmãos Karamazóv, O Jogador, Notas de Subsolo, O Eterno Marido, e Recordações da Casa dos Mortos. É considerado o mais importante romancista russo. 

Referência bibliográfica
Dostoiéviski, Fiódor, 1821-1881.
O jogador / Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski;
tradução de Roberto Gomes. - Porto Alegrre: L&PM, 2009.
208p. ; 18cm. - (Coleção L&PM Pocket)
1.Ficção russa-romances. I.Título.II.Série.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Ocorreu um erro neste gadget