quarta-feira, 30 de setembro de 2009

O Recurso – John Crisham

Uma empresa montou uma unidade de pesticida em uma cidade do Mississipi. Apesar de gerar empregos para a população durante trinta anos, o lixo químico foi jogado no solo e provocou a contaminação do lençol freático. A água contaminada foi consumida pela população que terminou contraindo câncer e leucemia.

O casal de advogados, Wes e Mary Grace, se endividaram para defender uma causa que durou setenta e um dias de julgamento no tribunal de Hattiesburg no Mississipi, que terminou por condenar a Krane Chemical Corporation a pagar a vultosa soma de quarenta e um milhões de dólares.

Despertados pela decisão, outros escritórios de advocacia moveram ações coletivas, no intuito de ganharem em acordos que pudessem vir acontecer. Enquanto isso, Carl Trudean, proprietário da Kane, articulava através de meios não convencionais, a anulação da condenação.
As ações da empresa despencaram na Bolsa de Valores, e um esperto senador, percebendo o desespero do proprietário, telefonou, lhe oferecendo os serviços da empresa Judicial Vision, especializada em soluções pouco legítimas.

O Recurso foi encaminhado à Suprema Corte do Mississipi, e, enquanto o julgamento não ocorria, a empresa conseguiu substituir a juíza Sheila McCarthy pelo desconhecido advogado Ron Fisk, que garantiu a anulação da condenação.

O compromisso de Ron Fisk, ao aceitar as condições para a indicação de juiz da Suprema Corte, terminou por envolvê-lo em fatos inesperados.
Trata-se de uma ficção, que expõe a justiça americana ao mostra o poder do dinheiro na defesa dos interesses empresariais e o quão fácil é ludibriar o povo através de campanhas que não refletem a realidade dos fatos. Apesar de ser um livro bem escrito e relatar situações nas quais pessoas são transformadas em vítimas do capitalismo político, a história não apresenta surpresas. 

John Grisham - Nascido em 8 de fevereiro de 1955 na cidade norte-americana de Jonesboro, John Grisham começou a escrever nas poucas horas vagas que sua carreira como advogado lhe permitia. Suas especialidades eram defesa criminal e processos por danos físicos. Foi o caso de uma vítima de estupro de apenas 12 anos que o inspirou a escrever sobre o universo jurídico. Esse primeiro romance, Tempo de matar, foi publicado em 1988. Desde então, o ofício de escritor acabou se tornando prioritário em sua vida. Hoje, ele é um dos seis autores mais lidos nos EUA. Sete de seus romances se tornaram filmes de sucesso, como A firma, O dossiê Pelicano, O cliente e O homem que fazia chover. Outros livros do autor: A câmara de gás, A casa pintada, A confraria, A intimação, Esquecer o Natal, O advogado, O júri, O sócio e O testamento. 

Referência bibliográfica
Grisham, John
O Recurso/ John Grisham; tradução de Michele Gerhardt MacCulloch. Rio de Janeiro: Rocco, 2008..
380p.

Tradução de: The appeal
ISBN 978-85-325-0912-3
1. Indústria química - Ficção. 2. Ficção americana. I.NacCulloch, Michelle Gerhardt. II.Título.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Budapeste – Chico Buarque de Holanda


A maior cidade da Hungria, Budapeste, situada nas margens do famoso rio Danúbio, é o resultado da fusão das antigas cidades de Buda e Peste.
Possivelmente, pela dualidade geográfica e da ocorrência de duas tentativas de fusão, o autor a escolheu como cenário para descrever uma história recheada de posições contraditórias.
Esgotado e sufocado no próprio talento José Costa, um escritor fantasma se depara com situações existenciais.
Radicado no Rio de Janeiro, ao se deslocar para um congresso de escritores anônimos, por força do acaso, termina conhecendo Kriska em Budapeste, e, o interesse subjetivo por ela o induziu a se familiariza com a difícil língua húngara.

A história é dolente porque os pesos impostos aos personagens entremeiam relacionamentos inimagináveis. As manobras impostas pelas relações culturais e relacionamentos amorosos definidas entre as cidades do Rio de Janeiro e Budapeste, servem para permear entendimentos divergentes e conflitantes, deixando a leitura densa e inconclusa.
Duas cidades, duas mulheres, dois livros, duas línguas e muitos outros dois, se contrapondo e impossibilitando a tomada de partido nos conflitos psicodélicos, pela obscuridade proposital do conhecimento.
O interesse pela escrita move o protagonista entre dois mundos, duas cidades e duas mulheres. Com Vanda, no Brasil, a expressão não era valorada enquanto com Kriska, na Humgria, a palavra era exaltada.
Assim, o livro atrai pela forma e curiosidade despertada pelos padrões da vida.
No mais, José Costa e Zsoze Kósta são as mesmas pessoas em constantes conflitos existenciais.

Informações sobre o autor - Francisco Buarque de Holanda nasceu no Rio de Janeiro, em 1944. Cantor e compositor, publicou as peças Roda Viva (1968), Calabar (1973), Gota d´água (1975), e Ópera do Malandro (1979); a novela Fazenda modelo (1974) e os romances Estovo (1991) e Benjamim (1995).

Ocorreu um erro neste gadget