sexta-feira, 16 de abril de 2010

O Albatroz Azul – João Ubaldo Ribeiro

Belinha, a única filha de Tertuliano em idade frutífera, casada com Saturnino Bororó, estava grávida e esperava que fosse mais uma mulher a somar às muitas já paridas. Ocorre que, Tertuliano tinha certeza, que desta vez, na barriga da filha crescia um menino.
Pesquisou o nome mais apropriado para o neto, mesmo antes de nascer, e concluiu que ele se chamaria Raymundo Penaforte. Guardou para si os preparativos e ficou aguardando chegar o dia que a parteira Altina Pequena seria chamada para ajudar no parto de Penaforte.

Durante o trabalho de parto, Altina mandou convocar Tertuliano, logo ele confirmou a aparição da lua cheia no céu. Ao chegar à casa de Belinha, Altina lhe informou que o menino estava nascendo de bunda e Tertuliano refletiu de imediato, sobre os sinais que havia recebido durante a gestação de Penaforte. Assim que o menino foi habilmente manipulado pelas mãos da parteira, lhe foi entregue para completar o ritual: “Depois de puxá-lo sem esforço, como se não tivesse havido nenhuma dificuldade antes, Altina passou o menino ainda gosmento a seu avô, que o levou com o traseirinho na direção da lua e assim o manteve em quanto rezava um padre-nosso e uma ave-maria...”.
Ou seja, o menino tinha nascido com o “cu para a lua”, e os que assim nascem sempre têm um destino promissor.

Nestor Gato Preto, velho amigo de Tertuliano, conhecedor de muitas seitas e religiões, o convidou para um passeio e revelou que o garoto era detentor de duas vidas.
Daí em diante restava preparar o futuro da criança. Primeiro, foi a escolha de Zé Honório e dona Roxa Flor como padrinhos. Casal com patrimônio e experiência suficiente para, na eventualidade, cuidar do futuro de Raymundo Penaforte.

Após o nascimento do neto e a revelação sobre suas duas vidas, Tertuliano, firmou idéia que uma das vidas, do neto, seria vivida por ele, após sua morte. Aliás, nada e ninguém conseguiram desvencilhar Tertuliano, da idéia, que ele estava caminhando, rapidamente, para a morte.

O conceito sobre a proximidade da morte levou o velho Tertuliano Jaburu a refletir sobre a história da sua vida.
O pai de Tertuliano, Juvenal Peixoto do Amaral Botelho Gomes era filho de Nuno Miguel Botelho Gomes, e foi criado por Antônia Vicência, a Cencinha, que tinha como filhas Albina e Catarina. Durante a convivência, Juvenal, pai de Tertuliano, dormia com as duas moças, e terminou por engravidá-las.

A possibilidade de Nuno voltar a se casar em Portugal deixou Cencinha agitada. Afinal, a esperada herança do português seria dirigida a sua nova e jovem esposa. Não deixou por menos, chamou o afilhado, namorado das filhas, e determinou que tomasse as providências. Juvenal visitou o mais conhecido e eficaz mestre da feitiçaria e “encomendou” o impedimento da realização do casamento de Nuno.
Tudo não passava de uma decepção, já que os trabalhos não haviam surtido o efeito desejado. Nuno Miguel havia se casado e a sua mulher estava grávida. A notícia chegou a Itaparica como uma ducha de água fria. O prestígio do mestre feiticeiro caiu por terra, até que, certo dia um mensageiro chegou informando que a nova mulher de Nuno havia morrido, com o filho na barriga.

Cencinha se apressou em formalizar o casamento de Juvenal com uma das suas filhas, antes da viagem dele para Portugal, que tinha a finalidade de assumir a herança. Nuno poderia exigir que Juvenal se casasse com uma portuguesa, caso ele chegasse solteiro em Portugal, e Cencinha, preocupada com esta possibilidade, resolveu que Juvenal se casaria com Catarina, sua filha mais querida, contudo, havia um problema a ser resolvido: Tertuliano era filho de Albina, mas, Cecinha e Juvenal concordaram com a idéia de que um filho homem agradaria a Nuno Miguel. Como Catarina tinha uma filha, Juvenal decidiu comunicar a Tertuliano Jaburu, avô de Raymundo Penaforte, que daquele dia em diante, ele, Tertuliano, não mais seria filho de Alba e sim de Catarina.

Tertuliano Jaburu, apesar de uma vida bem vivida e aceitar a morte com naturalidade, não se desvencilhava dos conflitos existenciais, entre os quais, estava o fato de ter mudado de mãe. Na cadeira de balanço, refletia sobre a vida e a morte até que apareceu o marujo holandês Hendrick Beekman, morto durante a expulsão dos holandeses da Bahia, e lhe revelou um segredo.
Assim surge o Albatroz Azul, livre, majestoso, solto no céu...

O leitor embarca no clima e na linguagem regional da Ilha de Itaparica, na Bahia, e se delicia com um texto folclórico, comprometido com histórias hilárias de crendices, que aqueles que por lá passaram, percebem na atmosfera a maresia carregada de hábitos, crenças, manipulações e convicções de um povo habituado a forma simples de ser. 

Informações sobre o autor – Baiano da Ilha de Itaparica começou a escrever cedo, aos vinte e um anos, publicou Sargento Getúlio, Viva o Povo Brasileiro, A casa dos budas ditosos, Diário do farol, entre outros. É membro da Academia Brasileira de Letras e recebeu o prêmio Camões, atribuído aos maiores escritores da língua portuguesa. 

Referência bibliográfica
Ribeiro, João Ubaldo
O albatroz azul / João Ubaldo Ribeiro. - Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.
236p.
ISBN 978-85-209-2386-3
1. Romance brasileiro. I.Título.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Ocorreu um erro neste gadget