quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Uma História Lamentável – Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski

Três cavalheiros respeitáveis reunidos na casa do conselheiro Stepán Nikíforovitch Nikíforov conversavam, tarde da noite, até que um deles, o jovem general russo Iván Ilítch Pralínskii, expressou opiniões de cunho social: “Está mais do que na hora! Já nos retardamos demais, e, a meu ver, humanidade é a primeira condição; humanidade no modo de tratar os subalternos, pois não se deve esquecer que são homens como nós! A humanidade será a salvação universal e porá tudo nos trilhos...”

Os outros não concordaram com as idéias renovadoras do jovem general e, apesar de mantida a cortesia, a discussão gerou certo desconforto.
Iván acompanhado por Semión Ivánovitch Chipuliénko deixaram a casa do anfitrião e perceberam que o cocheiro Trifón havia saído com o trenó. Iván decidu ir andando até a sua residência.
Percebeu movimentação festiva em uma das casas e foi informado que se tratava da comemoração do casamento de um dos seus funcionários. Decidiu entrar e por em prática suas idéias socialistas humanitárias, defendidas minutos antes na casa do conselheiro Stepán.

Preocupado de como seria recebido pelo noivo Porfírii Petróvitch Pseudonimov, preparou-se para evitar convencionalismo, contudo, a sua presença, no primeiro momento, terminou causando inquietação dos presentes.
No decorrer da festa, Iván, se viu em constante conflito. Procurava se portar de forma a não criar embaraços aos convidados, e, ao mesmo tempo censurava as pessoas que estimuladas pelo álcool o tratavam de forma indiferente.
Sem alternativa para uma saída honrosa perdeu o controle e terminou se embebedando, fato que levou o ilustre intruso desmaiar. Sem alternativa, foi levado a ocupar a cama preparada para a noite de núpcias.
Não bastasse a apropriação da alcova, Iván Ilítch Pralínskii teve que ser amparado durante a madrugada, pela generosa mãe do noivo que ficou com a incumbência de transitar com um urinol, pelos corredores da casa, devido a um incontrolável desarranjo intestinal do general.
Recolhido em sua residência por oito longos dias, após o ocorrido, Iván, voltou envergonhado ao trabalho sem saber como se posicionar perante os subordinados. Sentado em uma cadeira exclamou: “Não suportei!”

O autor nos remete a uma reflexão: algumas vezes, os valores intrínsecos na consciência terminam por trair princípios sociais defendidos através da visão humanista, e promove um conflituoso sofrimento mental.
A pequena “História Lamentável” contada por Fiódor Dostoiévski é divertida e traz ponderações filosóficas importantes para o próprio comportamento e para o senso crítico de que os analisa. 

Informações sobre o autor Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski,  nasceu em Moscou, em 1821. Cursou engenharia e estreou na literatura em 1845. Foi condenado à morte em 1849, por envolvimento com política liberal. Minutos antes do fuzilamento, sua pena foi modificada por um período de exílio na Sibéria. Morreu em São Petersburgo, em 1881. É autor de Irmãos Karamazóv, O Jogador, Notas de Subsolo, O Eterno Marido, e Recordações da Casa dos Mortos. É considerado o mais importante romancista russo. () 

Referência bibliográfica
Dostoiévski, Fiodor, 1821-1881.
Uma história lamentável / Dostoiéviski; tradução de Gulnara Lobato de Morais Pereira.
2. ed. - Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
(Coleção Leitura)
101p.
ISBN 85-219-0225-5
1. Contos russos. I. Título. II.Série.

Um comentário:

  1. Acabei de ler o conto.
    A impressão que tive foi que o autor russo deixava um recado nas entrelinhas que essa "abrupta" aproximação do aristocrático com o populacho não seria benéfica para nenhum dos lados. Um lado ficando no final completamente endividado e o outro desmoralizado.

    ResponderExcluir


Ocorreu um erro neste gadget