sábado, 16 de outubro de 2010

O amor nos tempos do cólera - Gabriel García Márquez

A história dos pais do autor foi transformada em romance. O cenário da cidade de Cartagena de lás Índias foi o escolhido para enriquecer a narrativa que retrata o sentimento de insatisfação diante do fracasso amoroso, os valores sociais, os efeitos do cólera, a devastação da natureza, a dificuldade no relacionamento conjugal e a rejeição ao processo de envelhecimento.

Florentino Azira, filho de uma aliança ocasional entre Trânsito Azira e Pio Quinto, aos dezoito anos, encanta-se por Fermina Daza filha de um inescrupuloso comerciante que tinha planos de casar a filha com uma pessoa de importância social.
Apesar das ações do viúvo Lourenzo Daza, pai de Fermina, para promover a eparação dos amantes, os sentimentos se eternizaram e foram registrados nas inúmeras cartas de amor escritas por Florentino Azira.   Fermina Daza casa-se com o médico Juvenal Urbino, por mero capricho, ao perceber o interesse da prima Hidelbranda pelo médico, experimenta uma vida fingida e desprovida de prazer. Enquanto Fermina se dedicava aos compromissos sociais, Florentino Azira navegava por muitos relacionamentos amorosos sem se dar o direito de entregar-se a outras paixões. Adquiriu o hábito de cadastrar as características das mais de seiscentas mulheres com as quais se deitou. Envelhece, carcomido, na esperança de só morrer após Juvenal Urbino e um dia reencontrar Fermina.

O conto traz afirmações sobre o amor, sobre o casamento e a velhice, dignas de registro:
“Só me dói morrer se não for de amor.”
 “(...) tinha vivido junto o suficiente para perceber que o amor era o amor em qualquer tempo e em qualquer parte, mas tanto mais denso fica quando mais perto da morte.”
 “O problema do casamento é que se acaba todas as noites depois de fazer amor, e é preciso tornar reconstruí-lo todas as manhãs antes do café.”
 “Um homem sabe quando começa a envelhecer porque começa a parecer com o pai.”
 “Os velhos, entre velhos, são menos velhos.”

Esta é uma história singular que ultrapassa o imaginário da perseverança. Vence as barreiras, refaz os conceitos, retrata o contexto poético a ponto de não nos parecer verdadeira. É uma narrativa espetacular, rica em detalhes de época e sentimentos humanos, bondosamente oferecidos ao deleite do leitor, que só um autor da linhagem de Gabriel García Márquez poderia escrever. A espera do reencontro durou cinqüenta e três anos, quatro meses e onze dias.

Informações sobre o autor – O escritor colombiano, Gabriel José García Márquez, apelido Gabo, nasceu em 1928 na aldeia de Aracataca, na Colômbia. Cedo abandonou a casa dos pais e trabalhou em diferentes empregos. Fez seus estudos em Barranquilla e chegou a iniciar o curso de direito em Bogotá, época em que publicou seu primeiro conto. Exerceu o jornalismo em Cartagema, Barranquilla e no El Esplendor, de Bogotá. Foi correspondente das Nações Unidas em Nova York. Recebeu Prêmio Nobel de literatura por sua obra que entre muitos outros livros inclui “Cem anos de Solidão”.

Referência bibliográfica
García Márquez, Gabriel, 1928 -
O amor no tempo do cólera / Gabriel García Márquez; tradução Antônio Callado. 35ª ed. - Rio de Janeiro: Record, 2009.
429p.
Tradução de: El amoren los tiempos del cólera
INBN 978-85-01-02872-3
1. Romance colombiano. I. Callado, Antônio, 1917 - 1997. II. Título.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Ocorreu um erro neste gadget